CLIQUE AQUI...
 
TEXTOS TÉCNICOS    
 
 
  CEPAV Menu
    CEPAV News
    Assessoria
    Exames e Preços
    Textos Técnicos
    Alergia
    DNA
    Download
    CD-ROM Atlas
    CEPAV Kids
 
  Tour Virtual


  
 
 
Atendimento On-line
Banco de Plasma Canino
 

O Banco de Plasma Canino já é uma Realidade no Brasil

Laboratórios CEPAV

Recentemente o hemocentro de São Paulo, iniciou uma terapia inédita no mundo para aumentar a resistência imunológica de pessoas infectadas pelo vírus HIV. A técnica consiste em transferir plasma (a fração do sangue que concentra os anticorpos) de um portador assintomático do HIV para um paciente com AIDS.

Os anticorpos assim transmitidos, serão fundamentais para aumentar as defesas do paciente que já perdeu a capacidade de produzi-los.

Na verdade, isto e apenas mais um capítulo da imunoterapia passiva (transferência de anticorpos), que já é conhecida ha mais de 100 anos, mais precisamente em 1890 quando Behring relatou o uso do plasma de animais vacinados para proteger pacientes com tétano.

Apesar dos avanços da ciência veterinária nos últimos anos, com a fabricação de vacinas específicas cada vez mais eficientes, ainda é muito grande o número de mortes principalmente de filhotes acometidos das mais diferentes doenças infecto-contagiosas, principalmente as diarréias com sangue causadas pelo Parvovírus e Coronavírus e a Cinomose. O Plasma Hiperimune vem surgindo como uma ótima alternativa na prevenção e no tratamento destas doenças.

A idéia é estabelecer um programa de imunização em cães doadores, contra as principais doenças que acometem os cães. Após determinado período, os animais produzirão uma grande quantidade de anticorpos contra as doenças a que foram previamente imunizados

O plasma é então coletado, concentrado, purificado e posteriormente será aplicado nos pacientes que terão assim, uma proteção contra estas enfermidades. Este e o principio do soro contra picadas de cobra, escorpiões, abelhas e também do soro contra o tétano, botulismo e varias outras doenças humanas.

BANCOS DE PLASMA

Esta técnica já e conhecida e utilizada em muitos países no exterior ha muitos anos. No Brasil, o Laboratório Padock - especializado em eqüinos, através de sua Diretora Medica Veterinária Claudia E. Kerber, implantou o primeiro banco de plasma equino do pais, com enorme sucesso no tratamento de varias enfermidades, principalmente em potros.

O PRIMEIRO BANCO DE PLASMA CANINO NO BRASIL

A aproximadamente um ano, o CEPAV LABORATORIOS, um dos maiores Laboratórios Veterinários do pais, através de seu Departamento de Hemoderivados, iniciou em seu canil experimental a produção do Plasma Hiperimune. As primeiras bolsas de plasma foram distribuídas para vários Médicos Veterinários da cidade de São Paulo, que começaram a utilizar o Plasma Hiperimune como auxiliar na prevenção e no tratamento principalmente da Parvovirose, Coronavirose e Cinomose. Os resultaram foram surpreendentes. O numero de óbitos de filhotes com estas doenças diminuíram muito em comparação com outros pacientes que não recebiam o plasma. A utilização do plasma em animais já doentes, fez com que a duração e a gravidade dos sintomas clínicos diminuíssem muito. Alguns canis principalmente de Rotweiller e Labradores que tinham problemas constantes de infecção pelo Parvovírus, começaram a utilizar o Plasma Hiperimune como medida preventiva em seus filhotes, tendo na maioria dos casos, eliminado por completo os surtos de infecção pelo Parvovírus.

COMO É PRODUZIDO O PLASMA HIPERIMUNE

Para a produção de um plasma de boa qualidade, é preciso estabelecer um programa de imunização em animais doadores que englobe as principais doenças que acometem os cães. Depois, é necessário acompanhar constantemente a produção de anticorpos dos doadores, com exames para avaliação dos níveis de anticorpos protetores contra estas doenças, utilizando várias técnicas laboratoriais bastante sofisticadas. Após alguns meses, com o doador "no ponto", inicia-se a coleta de sangue em bolsas especiais. O sangue é então submetido a um processo de ultracentrifugação em temperaturas abaixo de 0o C. Posteriormente o plasma é concentrado, filtrado em filtros de "Milipore" e congelado.

Hoje existem vários canís que já participam do programa de coleta, utilizando seus próprios animais como doadores e utilizando o plasma em seus filhotes para prevenir o aparecimento de doenças.

INDICAÇÕES PARA A UTILIZACAO DO PLASMA HIPERIMUNE

O Plasma Hiperimune deve ser utilizado na prevenção e no tratamento das principais doenças infecto-contagiosas que acometem os cães por ex.: Cinomose, Parvovirose, Coronavirose, Hepatite Infecciosa Viral, Leptospirose e Parainfluenza.

MODO DE USAR:

Como tratamento profilático recomenda-se utilizar 15ml pela via subcutânea com intervalos de 7 dias independente do tamanho e peso do paciente.

Como tratamento curativo: De 50 a 100ml pela via subcutânea ou endovenosa com intervalos de 7 dias até a completa recuperação, independente do tamanho e peso do paciente.

REAÇÕES COLATERAIS E ANAFILÁTICAS

São bastante raras quando utilizadas segundo as recomendações. Como em todos os procedimentos com produtos hemoderivados, reações anafiláticas podem ocorrer. Anamnese completa do paciente deve ser realizada visando principalmente possível histórico de reações anafiláticas anteriores. No caso da ocorrência de qualquer reação anafilática, o tratamento padrão deve ser instituído o mais rapidamente possível. Recomenda-se após a aplicação, deixar o paciente sob observação pelo prazo de 15 a 30 minutos.

A utilização do Plasma Hiperimune pela via endovenosa pode ser utilizado nos casos mais severos, apesar do aumento dos riscos de reações colaterais. Nestes casos recomenda-se estar munido dos meios necessários para controlar estas reações.

Os tratamentos de suporte e/ou antibiótico terapia utilizados dever ser seguidos normalmente.

ALGUMAS DICAS PARA A UTILIZACAO DO PLASMA HIPERIMUNE

  1. Antes de utilizar o plasma pela via subcutânea, verifique se a volemia do paciente esta estabelecida. Pacientes hipovolemicos ou em choque, tem capacidade de absorção de líquidos pela via subcutânea muito prejudicada. Recomenda-se estabelecer primeiramente a volemia do paciente e/ou reverter o choque antes de iniciar a terapia com o Plasma Hiperimune.
  2. Os tratamentos de suporte e/ou antibioticoterapia devem ser seguidos normalmente.
  3. Recomenda-se descongelar em temperatura ambiente ou em banho maria a 37 graus (água morna). Evitar descongelar o Plasma Hiperimune em forno de microondas ou água fervente, pois pode haver coagulação do Plasma.
  4. E comum a presença de pequenas partículas ou grumos de fibrina no Plasma. Isto não significa que o plasma esteja contaminado.
  5. Utilize sempre equipo com filtro.

O Plasma Hiperimune vem acondicionado em bolsas plásticas com 100 ml e devem ser mantidos em Freezer a - 20graus. A validade do plasma mantido nestas condições e de um ano.

O CEPAV LABORATÓRIOS - Tecnologia em Saúde Animal, criou um serviço de informações sobre a uitilização de hemoderivados, que pode ser solicitado por todos interessados, através dos telefones: (011) 3872-9553, através de correspondência à Rua Tanabi, 185 - São Paulo Capital - CEP 05002-010, ou pela internet www.cepav.com.br

OBS: PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTE ARTIGO SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DO CEPAV.

 

 
CEPAV PHARMA LTDA.
Rua Dom Bento Pickel, 605
Casa Verde Alta - São Paulo - SP.
CEP. 02544-000
Tel.: (11) 3872-2111
CEPAV - Centro de Patologia Clínica Veterinária Ltda.
Rua Tanabi, 185
Água Branca - São Paulo - SP.
CEP. 05002-010
Tel.: (11) 3872-9553

Copyright - CEPAV, 2009. Todos os direitos reservados